Category Archives: Handebol

Adversário definido

IMG_20141106_100223959

A equipe da Fasipe de Mato Grosso será a oponente da UnB na disputa por uma vaga na final da segunda divisão do handebol feminino dos JUBs 2014. O time mato-grossense venceu os três compromissos na fase de grupos e chega com moral ao jogo decisivo. A partida será disputada às 17h desta sexta-feira (7), no ginásio do Colégio Purificação ou do Colégio São José.

Caso a UnB se classifique, a grande final terá o encontro de duas universidades federais, já que a alagoana Ufal e a baiana UFBA fazem o outro confronto semifinal. Força, UnB!

Texto: Hugo Costa

Advertisements

Handebol vence e está na semifinal

Handebol - 04nov14 - Mariana Costa (198 de 109)

A equipe de handebol feminino da UnB fez boa apresentação e venceu a Universidade Federal do Rio Grande do Norte por 18 a 11. O resultado classificou a UnB para o jogo semifinal da segunda divisão dos JUBs 2014 e eliminou as nordestinas, que perderam os três confrontos da primeira fase. As adversárias da semifinal serão conhecidas após a definição do outro grupo, liderado pela federal da Paraíba e pela Fasipe, de Mato Grosso.

A defesa do time de Brasília funcionou bem, em especial no primeiro tempo. As meninas da UnB conseguiram bloquear as principais jogadas adversárias e foram muito rápidas nas transições ao ataque. “Fizemos um jogo mais tranquilo. Pudemos rotacionar bem a equipe e colocar todas as jogadoras em quadra”, diz o técnico Marcelo Marques.

Texto: Hugo Costa
Foto: Mariana Costa

Handebol perde jogo equilibrado

A derrota foi dura. Depois de liderar o jogo por mais de 50 minutos, a equipe de handebol feminino da UnB saiu derrotada de quadra. O placar final foi de 22 a 20 a favor da Universidade Federal de Alagoas. A partida valeu pela segunda rodada da segunda divisão dos JUBs 2014. “Perder é sempre ruim. Mas desse jeito é pior”, diz a brasiliense Heloísa Arakaki. “O sentimento é de raiva”, diz a jogadora Isabella Vieira.

O jogo no Ginásio da Escola Purificação foi muito equilibrado. Os dois times alternavam erros de contra-ataque e demonstravam ansiedade para finalizar. A duras penas, a equipe do DF conseguia se manter à frente do placar. O primeiro tempo terminou com a vantagem mínima para a UnB: 11 a 10.

Os 30 minutos finais também foram de total equilíbrio. A UnB chegou a abrir 15 a 12, mas as alagoanas mostraram força e pouco depois empataram o placar em 18 a 18. A partir daí, o time do Nordeste foi mais eficiente e assegurou a liderança e a vitória. “Sabíamos que seria um jogo difícil. Agora precisamos nos acertar para a partida decisiva contra a Universidade Federal do Rio Grande do Norte”, diz o técnico da UnB, Marcelo Marques. O jogo contra a UFRN, nesta quinta-feira (6), vale vaga nas semifinais da competição.

Texto: Hugo Costa

A bola da discórdia


A bola escolhida pela CBDU para o handebol dos JUBs 2014 tem desagradado jogadores e técnicos. A reclamação que se ouve é que ela muda de direção, escorrega e é feita com material de baixa qualidade. “Essa bola é horrível. Nem parece de handebol. Em contato com suor ela fica muito escorregadia”, reclama Luana Rocha, atleta da UnB. A insatisfação é unânime entre as jogadoras de Brasília e também é perceptível nas outras equipes.

O técnico da UnB, Marcelo Marques, concorda. “A bola não é adequada. E o pior é que quase não conseguimos treinar com ela. Procuramos por muito tempo e não conseguimos comprar essa bola nem com a empresa fornecedora”, diz o treinador.

Texto: Hugo Costa

Sem motivos para se preocupar

Handebol - 04nov14 - Mariana Costa (6 de 10)
Durante a partida de estreia, duas jogadoras importantes do handebol feminino da UnB foram ao chão com expressão de dor. Camilla Castro, que vem de cirurgia no joelho direito, sentiu incômodo no local. Luana Rocha caiu ao finalizar em gol e sentiu dores na mão esquerda.

Felizmente, nenhum dos casos é sério e o time deve contar com as duas para o jogo contra Universidade Federal de Alagoas, agendado para a manhã desta quarta-feira (5). “O handebol é um esporte de muito contato. Essas situações são comuns”, tranquiliza o técnico Marcelo Marques.

Texto: Hugo Costa
Foto: Mariana Costa

Campanha vitoriosa

Victor Schumyatsky ouro no xadrez - 02nov14 - Mariana Costa (79 de 87)
O desempenho dos atletas da UnB nos jogos universitários é até agora motivo de comemoração. A delegação acumula dois ouros no xadrez, um bronze no tênis e outro na ginástica rítmica. Além disso, houve finais individuais e em provas de revezamento na natação. “Foi uma ótima participação na fase individual”, avalia Bernardo Ravanello, responsável pela Associação Atlética Acadêmica da UnB (AAAUnB).

Ravanello destaca que a universidade esteve desfalcada de nomes de peso no judô e na natação, mas soube aproveitar “até com uma certa surpresa” modalidades novas nos jogos. “Conseguimos boas colocações no tênis e na ginástica rítmica”, diz.

E a expectativa do dirigente é de que o bom desempenho siga com os esportes coletivos. “O basquete feminino joga pela ascensão à segunda divisão. Acredito que isso deva acontecer”, prevê. “O handebol feminino é sempre bastante equilibrado na segunda divisão. Mesmo assim, existe a possibilidade medalha e torceremos bastante para que isso aconteça”.

Texto: Hugo Costa
Foto: Mariana Costa

Vitória para dar confiança

Handebol - 04nov14 - Mariana Costa (208 de 109)
O handebol feminino da UnB estreou sem sustos nos JUBs 2014. O time comandado por Marcelo Marques venceu a Universidade Federal da Bahia por 21 x 14, nesta terça-feira (4), e começou a encaminhar a classificação para a semifinal. “Foi uma boa estreia. O interessante é que nossa chave é composta só por universidades federais, sem atletas patrocinadas. Isso equilibra as coisas”, diz o treinador. As federais de Alagoas e do Rio Grande do Norte completam o grupo.

A equipe da UnB chegou a abrir dez gols de diferença no início do segundo tempo, mas permitiu que as representantes da Bahia se aproximassem do placar em alguns momentos. “Tivemos pequenos apagões”, diz a camisa dez da UnB, Camilla Castro. “Nosso time teve erros na defesa, que é um dos nossos pontos fortes”, avaliou a atleta Larissa Fonseca.

Essas oscilações não preocupam Marcelo Marques. “É normal em uma estreia. Também precisamos fazer muitas substituições para evitar o desgaste excessivo das jogadoras”, afirma o treinador.

Texto: Hugo Costa
Foto: Mariana Costa